Lira diz que não há mais espaço para ‘radicalismos e excessos’ e pede pacificação

Redação, com BN

Lira não citou nominalmente o presidente Jair Bolsonaro e também não falou em impeachment.

Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Após ter ficado em silêncio neste domingo (7), durante as manifestações que ocorreram em todo o país em favor de Jair Bolsonaro, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP), defendeu a pacificação no país em discurso feito no início da tarde desta quarta-feira (8).

Lira não citou nominalmente o presidente Jair Bolsonaro e também não falou em impeachment. O presidente da Câmara afirmou que a Casa “não parou com crises que só fazem o Brasil perder tempo” e disse não ver como “possamos ter ainda mais espaço para radicalismos e excessos”.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

O deputado também afirmou que é hora de “dar um basta nas escaladas” de tensões. “Esta Casa [Câmara] estende a mão aos demais Poderes, para que se voltem ao trabalho, encerrando desentendimentos. Temos a nossa Constituição, que jamais será rasgada”, disse.

“Foi isso que inspirou Niemeyer e Lúcio Costa quando imaginaram a Praça dos Três Poderes. Colocaram Executivo, o Judiciário e o Legislativo no meio, equidistantes, mas vizinhos e próximos suficientes para que hoje a gente possa se apresentar como uma ponte de pacificação entre Judiciário e Executivo”, acresentou.

Lira chegou a falar, ainda, que esperou “até agora para me pronunciar porque não queria ser contaminado pelo calor do ambiente já por demais aquecido”.

A fala de Lira acontece após Bolsonaro ter participado de manifestações em Brasília e em São Paulo.