Em meio à pandemia e com variante delta, Bahia completa um mês sem novo secretário da Saúde

fonte Metro1

Desde a saída de Fábio Vilas-Boas, após xingar chef de cozinha, Tereza Paim está à frente do cargo; governo ainda busca substituto

Foto: reprodução / BN

A exoneração do secretário da Saúde da Bahia completa exatamente um mês nesta sexta-feira (3). À frente da pasta desde o primeiro mandato da gestão Rui Costa, Fábio Vilas-Boas pediu para deixar o cargo após ofender a chef de cozinha Angeluci Figueiredo de “vagabunda”. O caso ganhou enorme repercussão nacional.

Desde o lamentável episódio, a secretaria da Saúde da Bahia segue sem titular. O posto tem sido ocupado interinamente pela subsecretária Tereza Paim. Nos bastidores, o desejo era que Tereza não permanecesse. O perfil buscado é “um quadro técnico, com relevância acadêmica, e afinado com gestões de esquerda”, apontam interlocutores do governo. O médico sanitarista Arthur Chioro, ex-ministro da Saúde de Dilma Rousseff, foi convidado pelo governo da Bahia para substituir Fábio Vilas-Boas. Por problemas pessoais, no entanto, Chioro recusou o convite.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

O atual senador Jaques Wagner (PT), pré-candidato ao governo da Bahia em 2022, estaria particulamente engajado na busca de um substituto, o que ainda não aconteceu.

Na última quinta-feira (2), a Bahia registrou 830 novos casos de Covid-19 e 13 mortes pela doença em 24 horas, segundo o boletim divulgado nesta quinta-feira (2) pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab). No total, o estado acumula 26.510 óbitos pela doença. A taxa de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para pacientes adultos com coronavírus está em 31%. Na semana passada, o estado detectou os primeiros pacientes com a variante delta — em locais distintos, o que configura uma infecção comunitária, ou seja, já espalhada pelo estado.