Baiana de 8 anos com tumor no cérebro tenta arrecadar R$ 10 mil para tratamento

fonte: Correio

Dudinha precisa viajar para fazer procedimentos no GRAAC em SP; saiba como ajudar

Foto: Acervo pessoal

A pequena Maria Eduarda Garrido Gomes, de apenas 8 anos, foi diagnosticada com um tumor no cérebro em 2018, e desde então sua família tem lutado para levantar recursos e possibilitar viagens e tratamentos da menina para fazer quimioterapia, radioterapia e outros procedimentos.

Como não tem como pagar pela viagem e pelos procedimentos – neste momento, o objetivo é levantar recursos para uma viagem a São Paulo -, a família iniciou uma vaquinha através de internet (clique aqui para acessar). A viagem para a capital paulista tem como objetivo realizar procedimentos no Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (GRAAC).

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

De 2018 para cá, a garota passou por oito cirurgias, sendo uma terceiroventriculostomia e três trocas de válvula DVP para hidrocefalia. Além destas, também foram feitas duas para retirada do tumor, após recidiva, e duas para problemas com cicatrização de pontos cirúrgicos.

A família de Maria Eduarda estima que inicialmente a menina ficará em São Paulo por dois meses até terminar as sessões de radioterapia e dará continuidade a quimioterapia oral em casa por um ano, em Salvador, onde mora.

Os pais de Dudinha, Eduardo Gomes, que é corretor de seguros, e a esposa dele, a publicitária Iara Garrido, também contam que para um tratamento mais assertivo e individualizado, existem necessidades de exames extras que são feitos nos Estados Unidos.

Dudinha foi diagnosticada quando teve problemas motores, além de outras complicações referentes ao controle do corpo, como pitose acentuada – perda do controle da pálpebra. A hidrocefalia foi causada pelo tumor, que obstruiu uma parte do cérebro da menina. Com informações do G1 Bahia.