Morre Dom Jaime Mota de Farias, bispo emérito de Alagoinhas, aos 95 anos

Redação

Dom Jaime estava acometido de Alzheimer e nos últimos dias o seu quadro se agravou.

Foto: reprodução / Facebook Diocese de Alagoinhas

O bispo emérito da Diocese de Alagoinhas, Dom Jaime Mota de Farias, faleceu no início da noite desta segunda-feira, 12 de abril, aos 95 anos. A informação foi divulgada na página da Diocese de Alagoinhas, no Facebook.

Dom Jaime estava acometido de Alzheimer e nos últimos dias o seu quadro se agravou. O corpo será velado, a partir das 5h desta terça-feira (13), na Catedral Santo Antônio, em Alagoinhas.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Devido ao decreto municipal, a capacidade da igreja será limitada a 30% da lotação.

Biografia e trajetória eclesial

Dom Jaime Mota de Farias nasceu em São Bento do Una, interior pernambucano no dia 12 de novembro de 1925. Ingressou no seminário de Olinda em 10 de fevereiro de 1946 e estudou ainda nos seminários de São Leopoldo e Viamão, no Rio Grande do Sul. Foi ordenado sacerdote no dia 25 de agosto de 1957 e exerceu o ministério sacerdotal como formador no Seminário Garanhuns e nos colégios Diocesano de Garanhuns e Municipal Padre Argobar. Também foi pároco de Arraial, no Recife, e da Catedral de Guaranhuns.

No dia 21 de julho de 1982 foi nomeado bispo auxiliar da Diocese de Nazaré. Sua sagração episcopal foi realizada em Garanhuns – PE no dia 11 de setembro de 1982. Três anos depois foi nomeado como segundo bispo titular da Diocese de Alagoinhas, permanecendo no cargo até 24 de abril de 2002 quando apresentou sua renúncia ao então Papa São João Paulo II.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Durante os 14 anos do seu pastoreio como bispo de Alagoinhas, Dom Jaime preocupou-se principalmente com a Pastoral Vocacional, motivando as vocações sacerdotais e ordenando dezenas de padres. Realizou importantes atividades religiosas e evangelizadoras, expandindo a presença da Igreja nos municípios que compõem a diocese, com a criação de novas paróquias e abertura de comunidades religiosas. Deu importante apoio e assistência às pastorais sociais, a exemplo da Pastoral Rural e da Pastoral do Menor de Alagoinhas. Pelos relevantes serviços prestados à cidade de Alagoinhas, recebeu o título de cidadão alagoinhense em 1992.

Após a renúncia e posse do novo bispo diocesano, Dom Jaime permaneceu residindo em Alagoinhas e participando das diversas atividades pastorais da diocese, além de celebrar missas na sua residência

O Alta Pressão Online utiliza cookies para melhorar a sua experiência em nosso site. Ao continuar navegando, você concorda com as condições previstas na nossa Política de Privacidade. Aceitar Leia Mais