Morte do humorista Jotinha é repercutida pelo ‘New York Times’

Redação, com Bahia.ba

Foto: Reprodução/New York Times

A morte do humorista e locutor Jotinha se tornou notícia em um dos principais jornais do mundo, o The New York Times, dos Estados Unidos.

Quase 15 dias depois da confirmação do falecimento de um dos ícones do Bahia, Jotinha se tornou pauta no tabloide em um obituário especial feito pelo NY Times sobre pessoas que morreram em decorrência do coronavírus.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Little J, como é chamado pela reportagem, é tratado pelo veículo como ‘Rei do WhatsApp’. Na matéria, eles explicam que o WhatsApp foi o responsável por viralizar as brincadeiras do humorista, e ajudou ele a atingir a fama e ser chamado para fechar vários contratos publicitários.

No obituário, o NY Times conta um pouco da história de vida de José Luiz Almeida da Silva, antes de ele se tornar o fenômeno humorístico, como a vida dos pais como trabalhadores do campo, e fala sobre a repercussão que o diagnóstico de Jotinha teve na mídia brasileira, conseguindo apoio de jogadores, políticos e até mesmo da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, para arcar com as despesas médicas.

A publicação norte-americana fala sobre ainda sobre o estado de saúde da mãe de Jotinha, Teresa Cesar Almeida da Silva, que contraiu o vírus, mas conseguiu se recuperar.