Apesar de adesão do PT, Rui Costa é contra pedido de impeachment de Bolsonaro

Com informações do Bahia.ba

Foto: Paula Fróes/GOVBA

Apesar de seu partido, o PT, ter assinado um pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o governador da Bahia, Rui Costa, é contrário a um processo de derrubada de governo em meio a pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Em entrevista por videoconferência ao Valor Econômico nesta quinta-feira (4), ele disse que não vê probabilidade de avanço de um processo como esse nesse momento. “Acho que não há cenário no curto prazo para um processo de impeachment. O Congresso está funcionando virtualmente. Alguém imagina que vai fazer um impeachment virtualmente?! Dá para imaginar ter o impeachment de um presidente sem ter manifestações de rua? Em que lugar no mundo, na história da humanidade, isso aconteceu? Só se fosse um golpe de Estado”, disse.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Em sua análise, manifestações de rua poderiam pressionar parlamentares para aprovarem o impeachment, mas que, com a crise sanitária, isso não será possível. “O povo precisa participar disso. Portanto, acho que, no curto prazo não vejo probabilidade. Nem nós podemos convocar o povo para ir para rua e nem tem hoje maioria parlamentar para um processo de impeachment”, disse Rui Costa.

Ele também avaliou o comportamento do presidente em meio a pandemia, que classifica a Covid-19 como “uma gripezinha”. “O governo se movimenta em atrair parlamentares que historicamente têm comportamentos sem padrão ético. Eu acho que essa relação dele [Bolsonaro] com a pandemia faz parte da estratégia dele. Querer ter um grupo fiel, radicalizado, de 20%, 30%. E com isso tentar eventualmente chegar em segundo turno em 2022”, afirmou.