‘Procurador-geral da República não pode desejar ser ministro do STF’, diz Aras

Metro1

Imagem: Reprodução / TV Globo

O procurador-geral da República, Augusto Aras, reafirmou que nunca aceitaria uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF). O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chegou a dizer que o indicaria para uma possível cadeira de ministro. A declaração do PGR foi dada durante o programa “Conversa com Bial” exibido na madrugada de hoje (2), na Rede Globo.

“Quem quer ser procurador-geral da República não pode desejar ser ministro do Supremo Tribunal Federal. Eu sempre digo isso a todos que me conhecem”, enfatizou Aras, em entrevista a Pedro Bial, e continuou: “Se isso vier a ocorrer com qualquer um, será por circunstâncias desconhecidas, porque o nosso trabalho contraria permanentemente interesses de todas as naturezas”.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Na semana passada, Bolsonaro disse que poderia indicar Aras para ocupar a cadeira de ministro do STF, caso uma terceira vaga aparecesse. No dia seguinte, nas redes sociais, o presidente esclareceu que, “com todo respeito” que tem pelo procurador-geral da República, não cogita indicar seu nome para essas duas vagas.

“Cheguei ao ápice da minha carreira de procurador-geral da República e pretendo cumprir os dois anos que me foi concedido. Não faço projetos para além desses dois anos”, disse o jurista baiano, afirmando que está realizado com o cargo que ocupa.

Aras ficou desconfortável com a vinculação do seu nome a uma poltrona inexistente de ministro da Suprema Corte. O procurador-geral, no entanto, disse que “respeita muito” Bolsonaro, ao ser questionado como tem lidado com as declarações do presidente: “Bolsonaro tem o jeito especial dele de ser. Eu o respeito muito, como respeito a sua forma de ser e a forma de ser de todas as pessoas, mas eu continuo fiel à Constituição e às leis do país”.