Medeiros

Apesar de anúncio de Trump, diretor da OMS diz que não quer romper com os EUA

Redação

Foto: reprodução

Apesar do presidente Donald Trump anunciar que vai retirar os Estados Unidos da Organização Mundial da Saúde (OMS), a entidade afirmou que deseja manter a parceria.

Em entrevista coletiva concedida nesta segunda-feira (1), o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que a contribuição dos EUA foi imensa, ao longo de décadas, e faz uma grande diferença no aprimoramento da saúde pública em todo o mundo. As informações são do G1.

Todo ano, os EUA destinam cerca de US$ 450 milhões à OMS. No entanto, no último sábado (30), ao anunciar que romperia com a entidade máxima da Saúde, Trump afirmou que redirecionaria esse dinheiro à outras organizações de saúde, sem esclarecer quais.

Para o mandatário americano, a OMS é controlada pela China, e falhou em promover as reformas desejadas pelo governo dos EUA. Ainda assim, Trump precisará ainda do aval do congresso para romper formalmente com a entidade. Ele preferiu não responder perguntas sobre o assunto.