Em discurso, Celso de Mello relaciona ‘liberdade e democracia’ a ‘Judiciário independente’

Rosinei Coutinho/SCO/STF

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, fez uma declaração nesta terça-feira (26), de que “sem Poder Judiciário independente, não haverá liberdade e democracia”.

“Entendo, senhora presidente, que sem um Poder Judiciário independente – que repele injunções marginais e ofensivas ao postulado da separação de poderes e que buscam muitas vezes ilegitimamente controlar a atuação dos juízes e dos tribunais – jamais haverá cidadãos livres nem regime político fiel aos princípios e valores que consagram o primado da democracia. Em uma palavra: sem um Poder Judiciário independente não haverá liberdade e nem democracia”, afirmou Celso de Mello.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Celso de Mello é o relator do inquérito que apura se o presidente Jair Bolsonaro tentou interferir na Polícia Federal, conforme a acusação do ex-ministro Sérgio Moro. Ele foi o responsável por autorizar a divulgação do vídeo de reunião ministerial no dia 22 de abril, que veio à tona na sexta-feira (22). A reunião é apontada por Moro como uma prova da atuação de Bolsonaro no sentido de interferir na corporação.

Nas imagens da reunião há um momento em que o ministro da Educação, Abraham Weintraub, chegou a defender a prisão de ministros do STF.