Em visita ao STF, Bolsonaro recebe cobrança por coordenação das ações

Do Bahia.ba

Imagem: reprodução / TV Globo

Acompanhando de ministros e empresários, o presidente Jair Bolsonaro fez nesta quinta-feira (7) uma visita ao Supremo Tribunal Federal. Na corte, foi pedir ajuda para que restrições determinadas no combate ao novo coronavírus fossem diminuídas. Segundo o G1, Toffoli destacou que as medidas foram recomendadas por autoridades sanitárias e pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

O magistrado cobrou também uma ação coordenada em resposta ao avanço da Covid.19. Dias Toffoli declarou que as pessoas demonstram desejo de sair de casa, porém “tem que ter essa saída de uma forma coordenada” e ressaltou a necessidade de conversa com da União com estados.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

“O objetivo da nossa vinda aqui, nós sabemos do problema do vírus, que devemos ter todo cuidado possível, preservar vidas, em especial daqueles mais em risco, mas temos um problema que vem cada vez mais nos preocupando”, afirmou Bolsonaro. “Chegou a um ponto que a economia fica muito difícil de recuperar. Nós, chefe de poderes, temos que decidir. O Toffoli sabe que, ao tomar decisão, de um lado ou de outro, vai sofrer critica.”

A ida ao STF não estava prevista na agenda oficial nem do Planalto nem do STF. A reunião teve as presenças dos ministros Braga Netto (Casa Civil), Fernando Azevedo e Silva (Defesa) e Paulo Guedes (Economia). Após o encontro, Bolsonaro afirmou que iria baixar decretos ampliando o número de atividades consideradas essenciais, como a construção civil.

O relacionamento de Bolsonaro com o Supremo sofreu abalo na semana passada, quando o ministro Alexandre de Moreas barrou a posse de Alexandre Ramagem na direção-geral da Polícia Federal. O presidente reclamou, classificando a decisão como política, mas foi retrucado pelos ministros da corte Luís Barroso, Gilmar Mendes e Carmem Lúcia, que exigiram respeito ao Judiciário.

X