Bolsonaro escreve que OMS incentiva masturbação e homossexualidade infantil, mas apaga post

Do Metro1

Foto: Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) publicou um texto ontem (29), em sua página no Facebook, onde ele acusou a Organização Mundial da Saúde (OMS) de incentivar a masturbação e a homossexualidade de crianças. O post ficou alguns minutos no ar, mas acabou deletado pelo próprio Bolsonaro. “Essa é a Organização Mundial da Saúde (OMS) que muitos dizem que eu devo seguir no caso do coronavírus”, iniciou. “Deveríamos então seguir também diretrizes para políticas educacionais?”, completava o texto.

Sem citar fontes, o presidente detalhou supostas recomendações da OMS para crianças de 0 a 4 anos: “Satisfação e prazer ao tocar o próprio corpo (masturbação); expressar suas necessidades e desejos por exemplo, no contexto de ‘brincar de médico’; as crianças têm sentimento sexuais mesmo na primeira infância”, descreveu o texto.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Mais cedo, o assessor especial da presidência da República Arthur Weintraub, irmão do ministro da Educação, Abraham Weintraub, compartilhou conteúdo semelhante mais cedo, através de seu perfil no Twitter. “OMS com diretrizes recomendando que crianças de 0 a 4 anos sejam ensinadas sobre ‘masturbação’, ‘prazer e diversão’, ‘tocar o corpo’ e ‘ideologia de gênero’. Isso é correto?”, questionou.

De acordo com o portal UOL, o guia citado por Bolsonaro realmente existe e foi publicado em 2010 pelo Centro Federal de Educação em Saúde da Alemanha, em conjunto com o escritório europeu da OMS. No entanto, as diretrizes não são para leitura infantil e sim aos pais, com o objetivo de ajudá-los na educação de seus filhos.

Ainda de acordo com a OMS, crianças de 2 e 3 anos são curiosas em relação aos seus próprios corpos. Elas começam a perceber que são diferentes de outras crianças e dos adultos e a ter noção do que é ser menino ou menina. Por isso, é mais ou menos nesta fase que também desenvolvem sua identidade de gênero.

X