Novo ministro da Justiça quer ser cobrado por mais operações da PF

Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

Ao tomar posse no Ministério da Justiça e Segurança, nesta quarta-feira (29), André Mendonça pediu ao presidente Jair Bolsonaro que cobre dele “mais operações” da Polícia Federal. Ex-advogado-geral da União, o novo ministro substitui a Sérgio Moro, que pediu desligamento na sexta-feira (23) após Bolsonaro demitir o diretor-geral da PF, Maurício Valeixo.

“Vamos fazer operações conjuntas. Cobre de nós mais operações na Polícia Federal, presidente da República”, afirmou Mendonça no discurso de posse. A dificuldade do novo ministro está justamente na PF. Indicado para a direção-geral, Alexandre Ramagem teve a posse embargada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre Moraes, em liminar concedida ao PDT.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Apesar de ter anulado a nomeação de Ramagem após a decisão do STF, Bolsonaro deixou claro na solenidade que ainda almeja levar Alexandre Ramagem para o comando da PF. “Respeito o Poder Judiciario, mas antes de tudo respeitamos a nossa constituição. O Ramagem foi impedido por uma decisão monocrática de um ministro do STF. Eu gostaria de honrá-lo no dia de hoje dando posse como diretor da PF. Tenho certeza que esse sonho meu, mas dele, brevemente se concretizará para o bem da PF e do Brasil”.

André Mendonça, no discurso, também mencionou o secretário-geral da Presidência, Jorge Oliveira, que estava cotado para a Justiça mas ponderou ser melhor ficar no posto atual. “O senhor [Jorge Oliveira] tem aberto mão de oportunidades para melhor servir o Brasil. Se tem alguém que tem ministrado justiça nesta Esplanada é o senhor. Tenho apreendido diariamente com vossa excelência, com a amizade, o caráter, abnegação e altruísmo.”

Fonte G1

X