Endividamento de famílias reduziu efeito do FGTS na economia

Redação

Reprodução/ABr
O endividamento das famílias pode ter diminuído o efeito da liberação do FGTS na economia. O benefício foi concedido no 4º trimestre com a expectativa de alavancar o setor.

No ano passado, o crédito à pessoa física cresceu na casa dos dois dígitos. O economista Rafael Leão explicou ao Valor Investe que parte do FGTS tenha sido direcionado para pagamento dessas dívidas, ao invés do consumo.

O baixo desempenho do varejo, inclusive, é interpretado como indicador de que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deve chegar a até 2%. Segundo Leão, essa fragilidade da recuperação econômica é reflexo do mercado de trabalho. Embora esteja se recuperando em termos de quantidade, a qualidade segue ruim: postos informais e por conta própria, com dinamismo fraco sobre a economia.

X