Peritos federais relatam tortura em prisões no Pará

Do Radar da Bahia

O Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, entidade ligada ao Ministério dos Direitos Humanos, registrou um quadro de extrema gravidade de violação dos direitos dos detentos do Pará.

Segundo o relatório, presas foram obrigadas a sentar nuas em formigueiros, outros foram encontrados vomitando sangue. Na capital, Belém, a única água disponível para consumo era a do vaso sanitário cujo sistema de esgotos com uma infestação de ratos. Os presos são obrigados a cantar o Hino Nacional e a rezar o Pai Nosso sob ameaça de punições.

O documento foi enviado nesta semana à Procuradoria-Geral da República e a ministérios, além de órgãos estaduais.

Quatro cadeias foram fiscalizadas: o Centro de Recuperação Regional de Altamira; a Cadeia Pública de Jovens e Adultos; o Centro de Recuperação Prisional do Pará; e o Centro de Reeducação Feminino. Todas estavam superlotadas.