Banner Agosto Prefeitura Alagoinhas

Torcedores do Bahia reclamam da visibilidade no setor de visitante do Allianz Parque

Fotos: reprodução

Palmeiras e Bahia fizeram um jogo eletrizante dentro de campo no empate em 2 a 2, neste último domingo (11). Porém, nem todas as mais de 34 mil pessoas presentes no Allianz Parque conseguiram ver o duelo, válido pela 14ª rodada do Brasileirão. Os torcedores que ficaram no setor destinado ao time visitante reclamaram da pouca visibilidade. Morador da cidade de São Paulo, o baiano e tricolor André Lessa se sentiu lesado por não poder enxergar direito o que acontecia dentro do campo por causa de uma tela de proteção.

“Eu cheguei um pouco atrasado, com 20 minutos de jogo. Quando eu cheguei já não dava para ver nada, porque o sol batia forte na tela e não dava para ver nada. Depois, no segundo tempo, quando o sol baixou um pouco, aí dava para ver alguma coisa, mas ainda assim incomodava”, afirmou o servidor público em entrevista ao Bahia Notícias. “Quando eu vi que estava daquele jeito, pensei em pegar o dinheiro de volta e assistir num bar”, continuou.

Outra torcedora do Bahia, que não quis ser identificada, também esteve presente no Allianz Parque e conversou com a reportagem do BN. Ela se queixou do problema.

“Eles colocaram uma tela de proteção por conta da torcida do Palmeiras que fica no anel de baixo. O que eu já tinha pesquisado em relação a isso é que foi uma ordem da PM e colocaram a rede de proteção. Na posição que a gente fica no estádio é bem na posição que o sol se põe. Quando você chega antes do jogo, tem uma visibilidade boa do campo. Durante o jogo, quando o sol começa a se pôr, a luz do sol bate nessa tela e não dá para enxergar o campo. Não tem condições nenhuma de visibilidade do jogo. Só consegue assistir o jogo a partir do segundo tempo, por volta das 17h15 nos jogos que começam 16h. E foi isso o que ocorreu”, explicou. “No início do jogo estávamos com a visibilidade reduzida. Durante o primeiro tempo todo, principalmente nos lances importantes como o pênalti e a expulsão de Felipe Melo, a gente não conseguiu enxergar”, explicou.

Segundo André Lessa, ele e outros torcedores reclamaram com os policiais militares que faziam a segurança do estádio. Além disso, o grupo procurou a ouvidoria da praça esportiva para pedir a devolução do valor do ingresso, mas tiveram o pedido negado.

“A polícia falou que é assim todo jogo e não tinha jeito. Fomos à ouvidoria e o cara falou: “A política da gente não é devolver o valor do ingresso. Vocês podem fazer uma reclamação aqui”. Mas é aquilo, é a típica reclamação de ouvidoria… O que acredito que vai acontecer é que eles vão entrar em contato para falar: “Olha, lamentamos muito, mas é necessário a tela para proteção”. E pronto, entendeu? Pela impressão que eu tive lá no estádio, duvido que vai ter algum resultado prático”, falou.

Mesmo sem acreditar em alguma solução por parte da administração do Allianz Parque, André Lessa registrou a reclamação formal pensando em, futuramente, entrar com um processo.

“Obviamente não vai ter resultado nenhum. Eu fiz para ter uma prova, porque eu vou processar. Eles não quiseram nem devolver o valor do ingresso”, declarou. “Quero ver com o jurídico do Bahia ou alguma coisa assim para entrar com um processo coletivo, porque foi muita gente lesada. Entrei em contato com a embaixada Tricolor aqui de São Paulo para tentar ver se juntamos o pessoal que foi no jogo. Foi 110 reais de ingresso. Nunca paguei tão caro num ingresso e era um absurdo. Não dava para ver praticamente nada no primeiro tempo”, completou. Com informações do Bahia Notícias