Banner Agosto Prefeitura Alagoinhas

Telegram diz que não há evidência de hacker em vazamento da Lava Jato

fonte: Correio

Foto: reprodução

O Telegram disse nesta terça-feira (11) que não há indícios de ataque hacker que provocou o vazamento de conversas entre o ex-juiz federal e ministro da Justiça, Sergio Moro, e de integrantes da força-tarefa do Ministério Público Federal (MPF) na Operação Lava Jato no Paraná. O serviço de aplicativo de mensagens respondeu à pergunta feita no Twitter por um brasileiro.

O perfil do Telegram no Twitter disse em inglês que “não há evidência de nenhuma invasão”. “É mais provável que tenha sido malware [um tipo de vírus] ou alguém que não esteja usando uma senha de verificação em duas etapas”.

Neste domingo (9), o site The Intercept Brasil divulgou mensagens trocadas por Moro com o procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa em Curitiba.

As conversas supostamente mostrariam que Moro teria orientado investigações da Lava Jato por meio de mensagens trocadas no aplicativo Telegram. O site afirmou que recebeu de fonte anônima o material. O The Intercept tem entre seus fundadores Glenn Greenwald, americano radicado no Brasil que é um dos autores da reportagem.

De acordo com o site, há conversas escritas e gravadas nas quais Moro sugeriu mudança da ordem de fases da Lava Jato, além de dar conselhos, fornecer pistas e antecipar uma decisão a Dallagnol.

Os membros do Judiciário, que não haviam acionado a verificação em duas etapas, recurso que adiciona camada adicional de segurança às mensagens, tiveram suas conversas vazadas.

Ainda no domingo, a força-tarefa da Lava Jato no Ministério Público Federal do Paraná (MPF/PR) afirmou que “seus membros foram vítimas de ação criminosa de um hacker que praticou os mais graves ataques à atividade do Ministério Público, à vida privada e à segurança de seus integrantes”.