Em artigo em jornal americano, Lula diz ser vítima de “golpe da direita”

Crédito da Foto: reprodução / Getty Images

Em artigo publicado no jornal americano The New York Times nesta terça-feira (14/8), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que sua prisão foi a última fase de um “golpe” orquestrado pela “direita” para impedi-lo de voltar à presidência. O pré-candidato do PT ao executivo nacional afirmou ainda que o juiz Sérgio Moro e os procuradores federais são aliados dos conservadores em uma ação coordenada para retirá-lo do processo político.

“Meu encarceramento foi a última fase de um golpe em câmera lenta destinado a marginalizar permanentemente as forças progressistas no Brasil. Pretende-se impedir que o Partido dos Trabalhadores seja novamente eleito para a presidência”, disse Lula no artigo, escrito da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde está preso desde o início de abril.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

“Com todas as pesquisas mostrando que eu venceria facilmente as eleições de outubro, a extrema-direita do Brasil está tentando me tirar da disputa”, acrescentou. Lula disse que o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff permitiu aos conservadores implementar uma agenda econômica que incluiu a aprovação do teto de gastos públicos e a reforma trabalhista, e disse que as forças de direita estão trabalhando para “reverter o progresso” dos governos do PT, tendo o apoio do Judiciário.

“Eles estão determinados a nos impedir de voltar ao cargo no futuro próximo. Seu aliado nesse esforço é o juiz Sérgio Moro e sua equipe de promotores, que recorreram a gravações e vazamentos de conversas telefônicas particulares que tive com minha família e com meu advogado, incluindo um grampo ilegal. Eles criaram um show para a mídia quando me levarem para depor à força, me acusando de ser o ‘mentor’ de um vasto esquema de corrupção”, afirmou. (Do Terra)

X