Economia global nunca cresceu tão sincronizada, mas há riscos, diz G20

© REUTERS / Marcos Brindicci

documento final do G20, divulgado ao final da reunião de ministros da Economia e presidentes dos Bancos Centrais, em Buenos Aires, nesta terça-feira (20), afirma que a “economia mundial nunca cresceu tanto de forma sincronizada como desde 2010, porém, os riscos persistem”.

O texto faz referência à necessidade de ações para ir contra os “obstáculos ao crescimento” e para garantir a “redução dos desequilíbrios”.

Apesar de não fazer referência direta ao protecionismo, o texto diz: “O comércio internacional e os investimentos são recursos importantes para o crescimento, a produtividade, a inovação, a criação de empregos e o desenvolvimento.”

Segundo o documento, entre os aspectos-chave discutidos estiveram as “vulnerabilidades financeiras que poderiam surgir com a ampliação das tensões geopolíticas.”

E acrescenta que houve um consenso em “continuar usando todos os recursos para apoiar um crescimento forte, sustentável, equilibrado e inclusivo”.

O texto ainda recomenda que políticas fiscais “devem ser usadas de maneira flexível e amigável para o crescimento”, e que se deve “priorizar o investimento de alta qualidade enquanto estimulamos um crescimento dos PIBs num caminho sustentável”.

Sobre os “criptoativos”, o documento diz que “levantam dúvidas com relação à proteção da integridade do consumidor e à possível proliferação de oportunidades para lavagem de dinheiro e evasão fiscal.”

O texto também ressalta que, por ora, os criptoativos “não possuem os atributos-chave de moedas soberanas e por isso podem gerar instabilidade financeira.”