Dilma admite que seu afastamento se tornou inevitável, diz jornal

Foto: Agência PT/Fotos Públicas
Foto: Agência PT/Fotos Públicas

A presidente Dilma Rousseff teria admitido que seu afastamento temporário da Presidência se tornou “inevitável” e decidiu traçar uma agenda para “defender seu mandato” e impedir que o vice Michel Temer “se aproprie” de projetos e medidas de seu governo. Segundo reportagem publicada no site da Folha de S. Paulo, a estratégia tem o objetivo de manter a mobilização da base social do PT e reproduzir o discurso de que Dilma é “vitima de um golpe”.

A ideia do Palácio do Planalto, segundo contou um assessor direto de Dilma, é não deixar para Temer ações e medidas elaboradas durante seu governo como, por exemplo, as licitações de mais quatro aeroportos (Porto Alegre, Fortaleza, Florianópolis e Salvador), concessões de portos e mudanças no Supersimples.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

De acordo com a reportagem, a ordem, “é limpar as gavetas”. A presidente pediu à sua equipe para “apressar” tudo que estiver “pronto ou perto de ficar pronto” para ser anunciado antes de o Senado aprovar a admissibilidade do processo de seu impeachment.

A votação está prevista para ocorrer no dia 11 de maio, o que vai resultar no seu afastamento do cargo por até 180 dias. Neste ritmo de reta final, auxiliares da presidente defendem a ideia de que ela precisa sair do “imobilismo” e tentar mostrar que ainda tem algum apoio social.

Dilma estuda ainda ir a São Paulo para evento das centrais sindicais em celebração ao 1º de Maio, Dia do Trabalho. Outra agenda positiva seria a cerimônia da tocha olímpica, marcada para a próxima semana.