Em meio à crise, mais de mil bares e restaurantes fecham na Bahia

sugestao-decoracao-bares-restaurantesA crise econômica chegou ao cardápio dos bares e restaurantes da Bahia. Parte dos clientes sumiu, e aqueles que ficaram estão gastando 40% a menos. E este é apenas um dos diversos números ruins para o setor. Outros: 25% dos postos de trabalho foram extintos – 4 mil demissões – só no primeiro trimestre deste ano, e houve aumento de 25% no número de extinções de empresas de bares e restaurantes em relação ao mesmo período de 2015.

Em todo o estado, 1.185 estabelecimentos encerraram as atividades também entre janeiro e março. “Quem gastava R$ 30 agora gasta R$ 20, ou menos. E agora no mês de abril, passada a época de alta estação, muitos estabelecimentos devem fechar”, afirma o presidente da seção baiana da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-BA), Luiz Henrique do Amaral.Segundo a entidade, o faturamento dos empreendimentos do setor caiu 25% entre 2016 e 2015, que já havia sido um ano de dificuldades. “Muitos (bares restaurantes) ficam no impasse de não conseguir nem avançar, nem fechar as portas.

Mas chega uma hora que o negócio se torna inviável mesmo diminuindo os gastos, vendendo mais barato e disponibilizando pratos executivos, novas ofertas e serviços”, fala Amaral sobre o aumento na extinção de empresas neste ano. Despesas O custo da mercadoria vendida disparado por conta da inflação, o reajuste no aluguel e o aumento nas despesas com a folha de pagamento deixaram a conta muito alta para que o restaurante mexicano El Caballito, um dos principais points da Avenida Paulo VI, na Pituba, conseguisse se manter de portas abertas. “A gente fica muito dependente da oscilação da economia.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

O valor do aluguel duplicou, os encargos trabalhistas e o valor dos ingredientes também. Mas o nosso faturamento não duplicou. Como é que fecha essa conta? Não fecha. E aí o negócio começa a ficar no vermelho”, afirma o sócio do empreendimento, Caco Monteiro. O restaurante que gerava 30 empregos diretos foi fechado há seis meses após três anos e meio de operação. Até decidir fechar, o empresário conta que tentou de tudo para manter o El Caballito funcionando. “Peguei empréstimo no banco, reinvesti, mas não vi resultado. Chega um momento que é necessário tomar a decisão. O prejuízo financeiro e emocional é enorme. A cidade também perde muito em opções”, lamenta.

Caco Monteiro também é sócio do DOC Casual Dinning, localizado bem próximo onde ficava o El Caballito. Ele ressalta que tem investido em estratégias para não deixar que os efeitos da crise interfiram na sustentabilidade do negócio. “Fechamos o El Caballito, mas estamos sobrevivendo com o DOC, e com expectativa de crescimento, inclusive, planejando franquear a marca”, adianta. Em um momento quando se fala de cortes, o DOC ganhou um chef de cozinha residente, cardápio novo e mais enxuto, trocou o sistema de ar-condicionado e reformou as mesas do salão. “A casa tem nove anos, mas está com cheiro de nova”, diz. “A gente tem que ter um cuidado tremendo para não deixar a qualidade cair e comprometer a competitividade. São investimentos necessários para que o cliente não sinta a crise nem na comida nem no salão”, completa.

Para o empresário, o maior desafio neste momento de retração econômica é investir com os pés no chão. “Alguns investimentos são necessários para manter a qualidade. É um novo passo que eu vou dar fazendo isso com muita responsabilidade financeira. Não adianta fazer as coisas com extravagância e seis meses depois ter que fechar a casa”.

Aluga-se A equação entre folha de pagamento, repasse de parte do aumento dos custos no preço cobrado ao consumidor e redução da margem de lucro não alcançou um resultado positivo capaz de manter abertas as portas do restaurante português The Beef, na Pituba. O estabelecimento, que chegou a faturar mensalmente R$ 300 mil, deixou de operar no mês de março.

Na fachada, uma placa de vende-se ou aluga-se para eventos. “Tínhamos um aumento no valor dos encargos da folha que não conseguíamos passar para o consumidor. Fizemos tudo que estava ao alcance, mas infelizmente não foi possível manter”, afirma o ex-proprietário do The Beef Jorge Mendes. “Por quatro anos, trabalhei das 10h da manhã até a meia-noite todos os dias. Não queria reduzir o padrão para ter que manter a casa. É como perder um filho.

A gente trabalhou muito”. De acordo com Mendes, quem quiser sobreviver à crise precisa aprender a adaptar o negócio. “Só vai conseguir se manter quem estiver disposto a se reinventar, mudar a personalidade e adaptar seu empreendimento. Caso contrário, o empresário não tem forças para sustentar isso”.

Correio24h