Envolvidos na morte de PM são apresentados; polícia procura outros três

Foto: Divulgação/Polícia Civil
Foto: Divulgação/Polícia Civil
Diélio Cardoso Santos, um dos acusados de matar o PM
Diélio Cardoso Santos, um dos acusados de matar o PM

Equipes da Força-Tarefa, criada pela Secretaria da Segurança Pública (SSP) para investigar crimes contra policiais, estão à procura de três pessoas que participaram do latrocínio do cabo PM Elias de Santana Souza, de 47 anos, ocorrido, na noite de terça-feira (19), na Federação. Duas delas já foram identificadas, uma pelo nome de Diélio Cardoso dos Santos e outra pelo prenome Talilson.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Os traficantes Silas Jesus da Silva, de 28 anos, e Hilbete dos Santos Sousa, 39, ligados aos autores do crime, foram presos, na noite de ontem (19), numa residência, na Rua da Lama, no Alto de Ondina, por equipes da Rondesp/Atlântico, e conduzidos ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), onde foram apresentados à imprensa, na tarde desta quarta-feira (20).

O casal foi preso depois que policiais militares encontraram o veículo Corsa, branco, placa NTM-9262, utilizado pelos assaltantes, abandonado no Alto de Ondina. Informações encaminhadas à polícia davam conta de que os suspeitos estariam escondidos na casa de Hilbete.

No imóvel, a polícia apreendeu um revólver calibre 38, municiado, 79 pinos de cocaína, 68 porções de maconha, 14 pedras de crack, uma balaclava, dois rádios comunicadores, quatro balanças de precisão, um par de algemas, um blusão camuflado do Exército e embalagens para acondicionar drogas.

De acordo com o coordenador da Força Tarefa, delegado Odair Carneiro, titular da Delegacia de Homicídios Múltiplos (DHM/DHPP), o casal havia sido preso, na manhã de sábado (16), na Barra, a bordo de um táxi, com dois revólveres calibre 38. Eles foram flagrados por policiais da 11ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM) e conduzidos à Central de Flagrantes, na Avenida ACM.

Autuados por porte ilegal de arma, Hilbete foi liberada, ainda no sábado, depois de pagar fiança de um salário mínimo, arbitrada pelo delegado da Central de Flagrante, de acordo com a lei. Silas, por sua vez, foi liberado no domingo, sem pagamento de fiança, no plantão judiciário da Justiça.

Presos novamente na terça-feira com arma e drogas, o casal foi autuado pelo mesmo crime e por tráfico de entorpecentes. O material apreendido já seguiu para perícia no Departamento de Polícia Técnica (DPT).

A apresentação de Hilbete e Silas à imprensa foi conduzida pelo delegado Odair Carneiro, titular da DHM, e pelo major PM Guerra, comandante da Rondesp/Atlântico. Além de quadros da Polícia Civil, a Força-Tarefa é integrada também por policiais do Serviço de Inteligência (SI) da SSP e da Polícia Militar.

Informações da Polícia Civil