Dois anos da Operação Lava Jato: entenda cada fase

cms-image-000004580-610x400A Operação Lava Jato completa dois anos nesta quinta-feira (17) e acumula 24 fases rodeadas de polêmicas e dados impressionantes. Até o momento a Lava Jato já recuperou quase R$ 3 bilhões desviados por um complexo esquema de corrupção, como definiram os investigadores.

A operação foi assim intitulada porque um dos grupos fazia uso de uma rede de lavanderias em Brasília e postos de combustíveis para movimentar os valores oriundos de suas práticas criminosas. As mais recentes polêmicas em torno do caso foram a delação premiada do senador Delcídio do Amaral (PT-MS), a condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para prestar depoimento e a denúncia de que o ministro da Educação Aloísio Mercadante teria oferecido ajuda financeira para evitar a delação premiada de Delcídio.

A Polícia Federal (PF) deflagrou em março de 2014 a Operação Lava Jato, com o objetivo de desarticular organizações criminosas que tinham como finalidade o desvio e a lavagem de dinheiro no âmbito da Petrobras. A estimativa é de um prejuízo aproximado de R$ 19 bilhões.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A ação da PF se tornou uma força-tarefa com o envolvimento de outros órgãos como Ministério Público Federal, Receita Federal e outros. As investigações podem resultar ou não na abertura de ações na Justiça. O juiz federal Sérgio Moro é o responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância do Judiciário.

Os investigados são executivos, ex-executivos e donos de empreiteiras, operadores do esquema, ex-diretores e ex-gerentes da Petrobras, doleiros, ex-deputados, parlamentares e um ex-tesoureiro de partido, além de dezenas de pessoas que tiveram outras funções no esquema.

Até agora, 84 personalidades do cenário político e do meio empresarial foram condenados e outros 1.114 processos são investigados pelos procuradores da república.

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), a investigação só avançou até esse ponto por causa das delações premiadas, procedimento recém instituído no Brasil. Para os advogados de defesa, o juiz Sérgio Moro e o MPF têm usado as prisões preventivas para forçar os réus a aceitarem acordo de delação premiada.

São 133 mandados de prisões, sendo 64 preventivas e 69 temporárias, 411 ordens judiciais, 88 condenações, 117 conduções coercitivas para tomada de depoimentos e 50 delações premiadas. Segundo dados do Ministério Público Federal, foram feitos 97 pedidos de cooperação internacional nas investigações da Lava Jato.

Ao todo, 57 políticos, a maioria com mandato, são investigados. Segundo a PF, os envolvidos responderão, de acordo com participação, pelos crimes de organização criminosa, formação de cartel, corrupção, fraude à Lei de Licitações, lavagem de dinheiro, crimes contra o sistema financeiro nacional, entre outros. Foram feitas também cinco acusações de improbidade administrativa contra pessoas e empresas.

Empresas como Camargo Corrêa, Odebrecht, Setal Engenharia e Sog Óleo e Gás já admitiram ter participado do esquema de corrupção na Petrobras e se comprometeram a pagar multas e a ajudar nas investigações. As demais empreiteiras investigadas declaram colaborar com a Justiça.

Outros números da Lava Jato

50 inquéritos abertos

39 ações penais

5 ações civis para devolução de recursos desviados

494 empresas e pessoas sob investigação

57 políticos investigados no STJ e no STF

156 réus na Justiça Federal do estado do Paraná

R$ 2,4 bilhões de bens dos réus foram bloqueados

119 prisões preventivas ou temporárias

28 presos

Da Agência Brasil