Homem que se passava por policial civil é preso

Divulgação/Polícia Civil
Divulgação/Polícia Civil

Uma carteira funcional falsa da Polícia Civil da Bahia e um distintivo da Polícia Civil do Distrito Federal foram apreendidos com Leonardo Gomes Canellas, de 37 anos, na quinta-feira (10), por policiais do Departamento de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP), no bairro do Doron.

Com ele, os policiais encontraram ainda uma pistola ponto 40 e outra 380, um revólver de calibre 38, dez carregadores para pistolas, munições de diversos calibres, um colete antibalístico, um giroflex, um rádio comunicador e R$ 11,8 mil reais em espécie, além de muitos cheques em nome de várias pessoas. Um Hyundai Veloster, em nome dele, também foi apreendido.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Acusado de se passar por policial civil para conseguir trabalho como segurança, Leonardo foi apresentado à imprensa, nesta sexta-feira (11), no auditório do edifício-sede da Polícia Civil, na Piedade. A delegada Glória Isabel Santos Ramos, do DCCP, contou aos jornalistas como foi o trabalho para se chegar até o falso policial.

De acordo com a delegada, as investigações tiveram início há seis meses, quando o departamento recebeu as primeiras denúncias sobre um homem que estava oferecendo serviços de segurança a vários comerciantes de Tancredo Neves, dizendo-se policial.
Leonardo foi preso portando as duas pistolas e uma mochila com o dinheiro, quando deixava a casa de uma das três mulheres com quem se relaciona. A outra parte do material estava no interior do Veloster. O revólver e parte das munições foram encontradas na residência de outra de suas mulheres, no Caji, em Lauro de Freitas. As três foram ouvidas pela delegada e disseram que acreditavam que Leonardo fosse policial.

Para convencer os comerciantes, ele costumava se apresentar como investigador da Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Criança e o Adolescente (Dercca) ou da 7ª Delegacia Territorial (DT) do Rio Vermelho. A delegada informou que ele fazia segurança em estabelecimentos na Pituba e Mussurunga.

Em seu depoimento, Leonardo disse que adquiriu as armas e as munições no Paraguai, mas não falou onde obteve a carteira funcional e o distintivo. A polícia vai continuar investigando para descobrir a procedência do documento e também dos armamentos, já encaminhados para a perícia.

Leonardo foi autuado em flagrante por porte ilegal de arma e falsidade ideológica. Ele já foi encaminhado ao Núcleo de Prisão em Flagrante (NPF), na Avenida Antônio Carlos Magalhães.

Fonte: Polícia Civil